Acadêmica de Engenharia desenvolve sorvete à base de proteína em Colorado do Oeste

 Midia Rondônia

Com 21 anos, Gabriela Samoria, acadêmica do curso de Engenharia Agronômica do Instituto Federal de Educação de Rondônia, campus Colorado do Oeste, desenvolve uma espécie de sorvete à base de proteína vegetal.
O experimento faz parte de sua tese de formação e chama atenção pelo ineditismo em trabalhar com frutas regionais, como cupuaçu, cacau e açaí misturadas à uma planta rica em proteína: a ora-pro-nóbis que, traduzida do Latim, significa “rogai por nós”.

No 9º semestre do curso, a estudante destaca o trabalho que desenvolve em Colorado do Oeste, informando todas etapas do processo de construção do novo sorvete, inclusive a utilização do leite regional que é empregado na composição do alimento rico em proteína.

Gabriela faz questão de ressaltar que sempre recebeu o apoio incondicional dos professores do campus na realização de suas pesquisas. Disse que aos 14 anos ingressou na instituição e que muito se orgulha de fazer parte da família Ifro.

Para o diretor regional da Secretaria de Estado da Agricultura (Seagri) no Cone Sul, engenheiro agrônomo Ariel Gomes, o exemplo e dedicação da acadêmica reforça ainda mais as parcerias que estão em andamento entre a instituição federal e o governo de Rondônia.

Como ex-professor do Ifro, campus Colorado do Oeste, Ariel explica que, assim que o trabalho da acadêmica estiver concluído, o produto final poderá ser aproveitado de várias de maneiras para enriquecer a alimentação e diversificar o cardápio onde será consumido.

Conhecedor do assunto, Ariel explica que o ora-pro-nóbis, apelidado de carne de pobre, ajuda a evitar o envelhecimento precoce da pele e das células, sendo aliada do bom funcionamento do intestino e ajuda a manter a ganhar massa magra. “E o melhor: é de fácil cultivo, propagação e resistente a mudanças climáticas”, observa o engenheiro. 

Para Gabriela, a palavra sobre o experimento resume-se apenas em uma: gratidão. “A todos os professores e colegas que estão empenhados em trabalhar em prol da ciência e do bem estar das das pessoas”, agradece a acadêmica.  



Enquanto a reportagem acontecia, professores do Ifro de Vilhena e Colorado do Oeste estiveram no laboratório onde o trabalho se desenvolve e parabenizaram a jovem estudante. Para o ex-aluno do Ifro e atualmente médico veterinário, Fabiano Cremonini, assessor da Seagri no Cone Sul, a instituição é referência no tocante à pesquisa e ao trabalho de educação desenvolvido não somente em Rondônia, mas também em todo o Brasil.

Ele também aproveitou a oportunidade para destacar o empenho do secretário de Agricultura do Estado, Evandro Padovani, que, segundo o médico, não tem medido esforços para manter uma parceria efetiva com o Instituto Federal de Rondônia, trazendo inúmeros benefícios à classe produtiva rondoniense.

Fonte: Midias de Rondônia

Postar um comentário

0 Comentários