Centrão faz ameaça velada e diz que Bolsonaro tem sua última chance de acertar

 Estadão

A substituição do general Eduardo Pazuello e a nomeação do cardiologista Marcelo Queiroga nesta segunda-feira (15) para a pasta da Saúde constituíram mais um episódio da crise política do governo Bolsonaro, em que o titular do Planalto voltou a se isolar.

Os constrangimentos que marcaram as duas conversas da médica Ludhmila Hajjar com Jair Bolsonaro fizeram políticos do Centrão lavar as mãos sobre a indicação do novo ministro da Saúde. Bolsonaro volta a ficar isolado.

Reportagem do 
Estado de S.Paulo informa que um influente político do Centrão resume. Bolsonaro quis escolher um nome sozinho. Não tem problema. Mas terá que acertar na seleção do seu quarto ministro da Saúde porque, caso seja necessário fazer uma nova troca, o país não vai parar para discutir quem será o quinto, mas sim o próximo presidente da República.

Na versão de um deputado, ninguém mais ficará brincando de escolher ministro.No Supremo Tribunal Federal (STF), o tratamento dado à médica Ludhmila Hajjar foi considerado lamentável. 

Fonte; Folha dos Municipios

Postar um comentário

0 Comentários