Deu na Veja: Planalto em pânico com possível áudio de Bolsonaro

 

Se há dúvida, basta consultar o video ou a versão taquigráfica da sessão de sexta-feira da CPI da Pandemia.

O deputado Luis Miranda (DEM-DF) deixou claro que há registro gravado da conversa dele e de seu irmão com Jair Bolsonaro no dia 20 de março, no Palácio da Alvorada, sobre a estranha transação no Ministério da Saúde para compra da vacina indiana Covaxin.
 

Eram 20h12m, o senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) tentava extrair de Miranda, até ali sem êxito, o nome do deputado que, segundo ele, o presidente acusara de liderar o lobby do contrato de R$ 1,6 bilhão para compra da vacina, com corretagem privada nacional e a preço 1.000% maior do que havia sido anunciado seis meses antes pela própria fabricante [mais tarde ele revelou que se tratava do líder do governo na Câmara, Ricardo Barros] .

Omar Aziz (PSD-AM), presidente da CPI, interveio: — O senhor não se lembra, ele faz parte da base do governo? Continua fazendo parte da base do governo?

Miranda resistia: — Como eu disse, como eu não lembro exatamente quem é a pessoa… Naquele momento eu me lembro que… É aquela imagem: você fala o nome, você sabe quem é a pessoa que é do… é da base, né? Mas não me lembro a pessoa, não me lembro mais o nome. São 513 deputados. É complicado lembrar o nome de todos. Leia matéria da revista Veja 

Postar um comentário

0 Comentários