Banner

Justiça manda sequestrar mais 4 Hilux de quadrilha que filha de ex-deputado faz parte, em RO


 

A 2ª Vara Criminal de Vilhena (RO) mandou sequestrar mais quatro caminhonetes Hilux da organização criminosa investigada pela Polícia Federal (PF) através da Operação Carga Prensada. Essa é a mesma quadrilha da qual Natielly Karlailly Balbino, filha do ex-deputado Nilton Capixaba, estaria participando para traficar drogas.

Segundo o judiciário, foi o delegado da PF quem pediu o sequestro de mais quatro veículos e um imóvel pertencentes aos membros da organização criminosa.

No pedido, a polícia diz que esses novos bens foram descobertos após a operação Carga Prensada, deflagrada em 15 de setembro.

Para sequestrar as quatro caminhonetes, o juiz autorizou o ingresso dos policiais federais nos lugares onde estiverem os bens, seja por meio de arrombamento de portas/portões ou guinchamento dos veículos.

Ainda consta na decisão judicial que, para garantir a efetividade do sequestro, os órgãos de trânsito devem emitir restrição e bloqueio de transferência de propriedade dos veículos.

O que é investigado?

A polícia investiga uma organização criminosa com forte atuação nacional no tráfico de drogas.

No dia 15 de setembro já haviam sido sequestrados 150 veículos do grupo, entre Land Rover, BMW e Camaro, além de aeronave, lancha e imóveis comprados com o dinheiro ilícito do tráfico.


Segundo a PF, os integrantes da quadrilha faziam o envio de grandes quantidades de cocaína de Rondônia, através de caminhões, para outros estados.


Ao menos 2,5 mil quilos de drogas da quadrilha foram apreendidos nos meses de investigação.

Além disso, o grupo realizava a aquisição de cargas de maconha do Mato Grosso do Sul para serem distribuídas nos estados de Rondônia e Acre.

Para lavar o dinheiro do tráfico, os suspeitos usavam uma casa de jogos de fachada, onde, de fato, ninguém era sorteado e os próprios integrantes da quadrilha ficavam com o dinheiro.

A PF também já sabe que a quadrilha atuava no comércio ilegal de armas de fogo, lavagem de capitais e falsidade ideológica.

Alguns dos integrantes da quadrilha gostavam de ostentar o 'luxo' nas redes sociais. Somente o bracelete de ouro de um dos investigados é avaliado em R$ 130 mil.

Filha de ex-deputado na organização

Entre as pessoas investigadas na operação está Natielly Karlailly Balbino, filha do ex-deputado Nilton Capixaba. Ela está presa em Cacoal desde 15 de setembro.

Segundo documento apresentado pela PF ao judiciário, depois da operação foi descoberto que a filha do ex-deputado estaria praticando "ações voltadas à produção de documentos falsos em favor da organização criminosa, mantendo, inclusive, interação com os principais integrantes da organização criminosa".

Em uma conversa no celular do líder da organização criminosa, na qual a PF teve acesso, Natielly buscava meios pare recuperar uma caminhonete Hilux apreendida com seu esposo Tiago, após o mesmo ser flagrado transportando drogas em Goiás.

"Nos diálogos, Natielly e o líder da organização criminosa cogitam a possibilidade de ser confeccionada uma procuração falsa em um cartório pelo valor de R$ 2,5 mil", diz o relatório de análise material feito pela polícia e apresentado ao judiciário.

Ainda conforme a PF, a filha do ex-deputado queria reaver a caminhonete Hilux. Na casa de Natielly também foram apreendidos extratos bancários que constam movimentações vinculadas a um suspeito de fazer lavagem de dinheiro para a organização criminosa.

Inicialmente, Natielly foi alvo de mandado de prisão temporária e ainda em setembro ela tentou ir para prisão domiciliar, mas o pedido foi negado.

Após novas provas serem apontadas pela polícia, a justiça converteu a prisão temporária para preventiva.

A defesa de Natielly disse que vai provar a inocência da suspeita e que aguarda o resultado dos pedidos quanto à prisão preventiva.


Fonte: g1 ro

Postar um comentário

0 Comentários