Banner

Mundial de ginástica: 8 motivos para não perder a competição no Japão

 


Rebeca Andrade, Arthur Nory e Caio Souza estão entre os destaques do Mundial de Kitakyushu


Apenas três meses depois das Olimpíadas de Tóquio, o Japão voltou a ser o palco para uma grande competição de ginástica artística. O Mundial de Kitakyushu reuniu estrelas da modalidade em busca de novas conquistas. Os brasileiros Rebeca Andrade, Arthur Nory e Caio Souza estão entre os ginastas que brigam por medalhas desta segunda-feira até o domingo. O ge destacou oito motivos para não perder o Mundial de ginástica.

1. Rebeca Andrade é a grande estrela

A campeã olímpica do salto estampa as peças de divulgação da Federação Internacional de Ginástica (FIG) para o Mundial. É a maior estrela feminina em Kitakyushu, mesmo sem apresentar o Baile de Favela no solo, com isso ficando fora da disputa do individual geral. Rebeca ainda é favorita ao ouro no salto e tem grandes chances de pódio nas barras assimétricas. Também vai tentar vaga na decisão da trave.


2. Vai ser reprise das Olimpíadas

Apenas três meses depois das Olimpíadas de Tóquio, a ginástica artística volta ao Japão para o Mundial de Kitakyushu, que fica cerca de mil quilômetros ao sul da capital japonesa. É a primeira vez desde 1996 que as duas competições são realizadas no mesmo ano, o que deu uma cara de reprise olímpica ao Mundial.


Arthur Nory em ação nas Olimpíadas de Tóquio — Foto: Gaspar Nobrega/ COB

Arthur Nory em ação nas Olimpíadas de Tóquio — Foto: Gaspar Nobrega/ COB

5. Novas estrelas surgindo

Além dos astros olímpicos, o Mundial de ginástica vai abrir portas para novas estrelas que não estiveram nos Jogos de Tóquio. A americana Kayla DiCello e a chinesa Wei Xiaoyuan, ambas de 17 anos, estão entre as novas caras mais promissoras da competição e prometem brigar por medalhas já de olho em Paris 2024.

Kayla DiCello na trave da seletiva americana para as Olimpíadas — Foto:  Carmen Mandato/Getty Images

Kayla DiCello na trave da seletiva americana para as Olimpíadas — Foto: Carmen Mandato/Getty Images

6. Astros consagrados se despedindo

O Mundial de Kitakyushu vai marcar a despedida de alguns grandes nomes da ginástica artística. O romeno Marian Dragulesco, dono de três medalhas olímpicas e dez em Mundiais, vai disputar a competição pela décima vez aos 40 anos. Grande rival de Diego Hypolito no solo, ele já confirmou que é seu último ato. A japonesa Mai Murakami, bronze no solo das Olimpíadas de Tóquio e dona de três medalhas em Mundiais, também anunciou que vai se despedir da ginástica.

Marian Dragulescu no Mundial de Ginástica Artística em Doha, em 2018 — Foto: Ulrik Pedersen/NurPhoto via Getty Images

Marian Dragulescu no Mundial de Ginástica Artística em Doha, em 2018 — Foto: Ulrik Pedersen/NurPhoto via Getty Images

7. O rei da ginástica competindo em casa

Kohei Uchimura, apelidado de King Kohei, vai disputar sua primeira grande competição em casa. Ele nasceu em Kitakyushu. Dono de sete medalhas olímpicas e 21 de Mundiais, o ginasta de 32 anos vai tentar dar a volta por cima depois de ter caído na classificatória da barra fixa, único aparelho que disputou nas Olimpíadas de Tóquio.

Kohei Uchimura em ação no torneio amistoso de ginástica — Foto: REUTERS/Kim Kyung-Hoon

Kohei Uchimura em ação no torneio amistoso de ginástica — Foto: REUTERS/Kim Kyung-Hoon

8. Caio Souza com muitas chances de finais

Além de Rebeca Andrade e Arthur Nory, Caio Souza é o terceiro representante do Brasil no Mundial de Kitakyushu. Finalista do individual geral e do salto nas Olimpíadas de Tóquio, ele mostrou durante o Brasileiro de ginástica, no início do mês, que manteve o ritmo depois dos Jogos e até evoluiu nas argolas com uma saída nova e mais difícil. O campeão dos Jogos Pan-Americanos vai disputar todas as sete provas masculinas do Mundial.



Caio Souza no salto das Olimpíadas de Tóquio — Foto: RICARDO BUFOLIN / PANAMERICA PRESS / CBG

Caio Souza no salto das Olimpíadas de Tóquio — Foto: RICARDO BUFOLIN / PANAMERICA PRESS / CBG

Fonte: ge

Postar um comentário

0 Comentários