Banner

Como Lira agiu nos bastidores para convencer parlamentares a votar PEC dos Precatórios



Presidente da Câmara passou o dia em negociações para convencer parlamentares a votarem a PEC

Com claras dificuldades para chegar a um acordo sobre a PEC dos Precatórios desde a semana passada, o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), fez tudo o que estava ao seu alcance, a fim de garantir a aprovação da proposta mais importante para o governo no atual cenário. Após o fracasso na semana passada, por falta de apoio e de quórum, o deputado deu orientações aos parlamentares ainda no feriado sobre como proceder ontem.

Ele recomendou, com pelo menos um dia de antecedência, os parlamentares a registrarem presença, de manhã, na Casa, para tentar garantir quórum. Além disso, a sessão foi marcada para o início da noite, na expectativa de que os parlamentares que ainda não estavam em Brasília pudessem chegar a tempo.

Na hora do almoço, Lira recebeu vários líderes partidários com o intuito de medir a temperatura e saber se a PEC tinha apoio suficiente para prosperar, além, é claro, de levar a cabo um processo de convencimento das legendas que estavam com ressalvas a respeito do texto.

Lira não falou com a imprensa após o almoço, mas os parlamentares que lá estiveram, sim. Eles disseram que o presidente da Câmara estava se esforçando ao máximo para mudar os votos da oposição e resolver impasses. O líder do governo na Casa, Ricardo Barros (PP-PR), já estava otimista com a aprovação desde o último domingo, mas saiu da reunião garantindo, pela primeira vez, que já tinha votos suficientes para aprovar a proposta.

As costuras na reunião chegaram ao ponto de fazer partidos da oposição, como o PSB, pensarem em mudar de ideia, já que o principal ponto de inflexão era o pagamento de precatórios do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento do Ensino Fundamental e de Valorização do Magistério (Fundef). No fim da tarde, no entanto, o líder da oposição, Alessandro Molon (PSB-RJ), reafirmou o posicionamento contra o que ele chamou de “calote”.

Fonte: CorreioBraziliense

Postar um comentário

0 Comentários